Conferência: “As Máquinas de Mós Pré e Proto Industriais do Barreiro

Conferência: “As Máquinas de Mós Pré e Proto Industriais do Barreiro:
localização, arquitecturas e tipologias”, Professor Doutor Jorge Custódio.

Lançamento do 4º número da revista “FUNDiÇÃO”, dedicada ao tema “Moinhos a Sul do Tejo: Barreiro, Moita, Seixal”.

Dia 24 de Março, 2017 I 17H30 I Auditório Cooperativa Cultural Popular Barreirense

A Cooperativa Cultural Popular Barreirense e a Associação Barreiro Património, Memória e Futuro, ao abrigo do protocolo de cooperação, realizam, em conjunto, a conferência “As Máquinas de Mós Pré e Proto Industriais do Barreiro: localização, arquitecturas e tipologias”, proferida pelo professor Jorge Custódio, no próximo dia 24 de Março, pelas 17H30 na Cooperativa Cultural Popular Barreirense.

Esta conferência insere-se num ciclo de conferências promovido pelas associações integrantes do Projecto Espaço L, dedicado ao tema “Património cultural”, tendo como objectivo específico a preservação e divulgação do património barreirense.

Nesta sessão será lançado o 4º número da Revista Fundição, editada pela Associação Barreiro Património, Memória e Futuro” e subordinado ao tema “Moinhos a Sul do Tejo: Barreiro, Moita, Seixal”, com particular enfoque no caso específico do Barreiro.

O professor Jorge Custódio, nasceu em de Santarém em 1947. Doutorou-se pela Universidade de Évora. Investigador integrado do Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado no Instituto de História Contemporânea, onde coordena o Projecto Era da Energia a Vapor de Portugal (1820-1974).


Dirigiu o Projecto Municipal Santarém a Património Mundial (1994-2002), o Convento de Cristo (2002-2007) e o Museu Nacional Ferroviário (2009-2011). Foi comissário da Exposição Arqueologia Industrial: Um Mundo a Conhecer um Mundo a Defender, realizada na Central Tejo, Lisboa (1985) e Exposição 100 Anos do Património. Portugal 1910-2010. Memória e Identidade, na Galeria D. Luís, Palácio da Ajuda, entre outras exposições.


Publicou diversas obras, entre as quais Máquina a Vapor de Soure (1998), O Lagar e o ‘Azeite Herculano’ (1998), Museu da Cortiça da Fábrica do Inglês. Exposição Permanente. Estudos. Catálogo (1999), com a colaboração de Manuel Castelo Ramos, Museu do Ferro & da Região de Moncorvo (2002), A Real Fábrica de Vidros de Coina e o vidro em Portugal no século XVIII (2002), a «Renascença» Artística e Práticas de Conservação e Restauro Arquitectónico em Portugal, durante a 1.ª República, 2 volumes (Fundamentos e Antecedentes e Património da Nação), A Mina de S. Domingos. História, Território e Património Mineiro (2013) para além de diversos estudos sobre arqueologia industrial, património cultural, história e património mineiro.


Enquanto responsável pela Candidatura de Santarém a Património Mundial, fez estudos sobre a cidade de Santarém e o Rio Tejo, que vieram a materializar-se nas seguintes publicações: Santarém. Cidade do Mundo, (coordenação e textos), 2 vols., Santarém: CMS, 1996, Património Monumental de Santarém: Estudos Descritivos, (coordenação e textos), Santarém: CMS, 1996 e Santarém its Lezírias and the Tagus, (Direcção de Jorge Custódio, Coord. de Cristina Castel-Branco e de Jorge Custódio), Santarém: CMS, 2001, para além de diversos estudos parcelares.
Fundador da APAI – Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial, foi por diversas vezes Presidente desta Associação, nomeadamente entre 2014-2017.

Cooperativa Cultural Popular Barreirense
Associação Barreiro – Património Memória e Futuro

Leave a Reply

Your email address will not be published.